Em formação

Menor a bordo, passageiro mais fraco

Menor a bordo, passageiro mais fraco


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

De acordo com dados do DGTDurante 2010, as estradas espanholas registraram um saldo total de 1.730 mortes por acidente, das quais 3% eram menores de 14 anos. Esses dados representam, em relação a 2009, uma redução de 9,1% no número de fatalidades e 44% a menos de fatalidades menores de quatorze anos. Apesar de tudo isso, os acidentes de trânsito continuam sendo a principal causa de mortalidade na infância (crianças de 0 a 14 anos).

A cada quatro dias, uma criança perde a vida em um acidente de trânsito. Em 2008, de acordo com dados da Direção Geral de Trânsito (DGT), 84 crianças menores de 14 anos morreram, 591 ficaram gravemente feridas e 4.717 sofreram ferimentos leves. O Associação Espanhola de Pediatria aponta a morte na estrada como a principal causa de mortalidade em crianças de 4 anos, a segunda em crianças menores de 2 anos e a quarta em crianças de 1 ano. Porém, o pior de tudo isso é que 40% dos bebês e crianças que morreram em acidentes de trânsito não possuíam Sistema de Segurança Infantil (SRC).

Apesar disso, quando se analisa a evolução da segurança viária infantil nos últimos vinte anos (1990-2009), a conclusão é animadora, pois, pela primeira vez, o número de crianças (0-14 anos) que morreram no trânsito acidentes foi reduzido, especificamente 80% menos. O número caiu de 307 mortes em 1990 para 60 mortes em 2009. Um dos fatores mais importantes que influenciaram esse declínio foi, sem dúvida, o aumento do uso de cadeiras de segurança para crianças. Os assentos ou cadeiras de segurança para bebês e crianças são a medida mais eficaz na prevenção de acidentes de trânsito.

O Royal Automobile Club da Catalunha (RACC) Y Jané produziram um relatório que mostra que três em cada quatro crianças que precisam ser hospitalizadas por causa de acidentes de trânsito não usavam sistemas de retenção infantil (CRS). Um forte impacto pode causar inúmeros ferimentos graves. Em 80% dos casos, as áreas mais afetadas são a cabeça e o pescoço. Enquanto para um adulto a cabeça representa um oitavo do peso total, para uma criança representa um quarto. Isso significa que 25% do peso das crianças está na cabeça. Devido ao fraco desenvolvimento dos músculos do pescoço, o pescoço não resistiu a um choque violento, que poderia causar lesões nas vértebras e na medula espinhal.

A utilização de SIR em menores de 12 anos, segundo relatório apresentado pela Consultrans em dezembro de 2008 em nome da Direção Geral de Trânsito, mostra que 88,1% das crianças menores de 12 anos viajavam protegidas em seu sistema de retenção, cifra que caiu para 78,4% no grupo de crianças de 6 a 12 anos. Por sua vez, a Associação Espanhola de Pediatria afirma que, ainda assim, 40% das crianças viajam sem as medidas de segurança necessárias, quando estas poderiam evitar 75% das mortes e 90% dos feridos em colisões. Uma cadeirinha ou alcofa também pode prevenir o desprendimento das vísceras, lacerações internas por falta de músculos abdominais, fraturas de costelas ou lesões pulmonares e cardíacas. É imprescindível que as crianças se fixem na cadeira auto com um sistema adaptado ao tamanho do carro.

Durante anos, todos os carros foram adaptados à nova regulamentação do Código da Estrada que dita o seguinte: “o facto de não ter os elementos de segurança instalados no interior do veículo será considerado uma infracção”. O banco traseiro é o lugar mais seguro para uma criança. Carregar um bebê nos braços a uma velocidade superior a cinco quilômetros por hora é um perigo grave se houver uma parada repentina. Até dois anos, ou 10 quilos de peso, as crianças devem estar sentadas em poltronas orientadas no sentido oposto ao da marcha. Esta posição demonstrou reduzir em mais de 30% os ferimentos na cabeça e no pescoço em bebês em uma colisão. Com a entrada em vigor do cartão de pontos veio a regulamentação que exige o uso de dispositivos de segurança até que a criança atinja 1,35 metros de altura. Nesse sentido, a colocação e o uso do cinto de segurança nos ônibus escolares na Espanha também serão obrigatórios.

A Direcção-Geral do Trânsito apresentou, juntamente com o programa infantil Los Lunnis e com a multinacional McDonalds, duas propostas para conscientizar os mais pequenos sobre a importância do cinto e elementos de segurança passiva dentro dos carros. A TVE, aproveitando a Primeira Semana Mundial das Nações Unidas, e seguindo a linha educativa do programa, criou 13 episódios em que as crianças vão adquirir orientações básicas sobre segurança viária, desde atravessar a rua de maneira adequada com animal de estimação, até como sente-se adequadamente dentro do carro. Por sua vez, o McDonalds está em plena atividade. Sob o lema Clique! Rede norte-americana se concentra na conscientização e incentivo às crianças iniciativa de apertar o cinto de segurança. A franquia chegou a distribuir CDs com diversas músicas relacionadas à segurança viária infantil. Segundo Patricia Abril, presidente do McDonalds Espanha, “com esta campanha procuramos incutir um hábito tão importante como o uso do cinto de segurança, sensibilizando os mais pequenos e que são eles que relembram aos pais a importância de clicando. "

Você pode ler mais artigos semelhantes a Menor a bordo, passageiro mais fraco, na categoria de acidentes infantis em obra.


Vídeo: Autorização de viagem para menores - nacional e internacional (Junho 2022).


Comentários:

  1. Hunfried

    A questão é interessante, eu também participarei da discussão. Juntos, podemos chegar a uma resposta certa. Estou garantido.

  2. Archer

    Eu considero que o tema é bastante interessante. Eu sugiro você para discutir aqui ou em PM.

  3. Jubal

    Você comete um erro. Vamos discutir. Escreva-me em PM.

  4. Raymil

    Sinto muito, mas, em minha opinião, você está enganado. Eu posso provar.



Escreve uma mensagem